25 de jul de 2011

Olha a merda que deu (10)

O pior dessa história nem é o fim. Talvez seja o começo, e como não sou de fazer firula, conto logo como foi que a merda aconteceu.

Havia saído de um relacionamento de anos; era namoro sério de dormir na casa dela, na cama dela, com a família em casa. Nós passávamos todos os finais de semana juntos. Sempre. E com o passar dos anos as coisas foram piorando. As brigas começaram a acontecer. Até que depois de muitas “idas e vindas” nós resolvemos terminar de verdade.

Comecei a sair com uma mulher linda. Nem eu acreditei que estava saindo com ela; sempre que termino um relacionamento fico um tempo sozinho, deprimido. E desta vez foi diferente. Comecei a sair com uma mulher linda; acho até que já falei isso.

E depois de um mês, mais ou menos, nós fomos ao motel. Antes era em casa, na minha e na dela; ou na rua. É no motel que as mulheres se soltam. E na hora que ela convidou já pensei, é hoje! Vou fazer barba, cabelo e bigode.

E o melhor, por conta dela. Escolheu uma suíte maravilhosa com sauna, banheira, três ambientes diferentes, discoteca, enfim, suíte presidencial. Ela levou duas garrafas de champanhe, eu levei uma garrafa de uísque e energéticos. “Ela vai ver o que é bom pra tosse, ou melhor, vai ver o que é ser comida de verdade”, foram meus primeiros pensamentos ao entrar na suíte presidencial.

Entramos e ela ligou a sauna, colocou a banheira pra encher, “até a metade, por enquanto”, ela disse. Abrimos as garrafas, bebemos um copo de uma vez só, cada um, e começamos a nos beijar, a tirar nossas roupas. Eu nem vi calcinha, nem tenho ideia de qual era. Começamos a nos lamber, a nos chupar, aquela coisa toda.

Depois fomos para a sauna. Tomamos banho, entramos na sauna, com os copos; tivemos que beber rápido, para não ficar ruim. Foi um fogo danado. Os corpos suando, aquela sauna ficou pequena. Foi uma das transas mais loucas que tive, de verdade. Eu não tinha ideia do que poderíamos fazer numa sauna.

Tomamos banho juntos. Outra coisa que nunca tinha visto e que adorei foram os sabonetes líquidos. Até então era só sabonetinho vagabundo que não dá espuma. Até o pente era melhor; claro que já tinha posto um no bolso da calça. Instalei meu pen drive, coloquei as músicas que nós gostamos e fomos para a banheira. Ela bebendo champanhe, eu uísque.

Conversamos, brincamos, rimos, estava uma alegria jamais vista em nossos olhos. Mais uma vez o clima esquentou e nossos copos esvaziaram, então voltamos a foder.

Molhamos tudo em volta da banheira. Fomos para outro ambiente. Minha garrafa já estava mais vazia do que cheia; a primeira dela já tinha ido. Enchemos os copos – esses copos grandes são ótimos –, fomos para a pista da discoteca e começamos a dançar. Seus olhos brilhavam, nossos corpos sempre roçando um no outro, aquele clima gostoso de sexo. Ela ajoelhou, começou a me chupar – ela chupa como ninguém – depois ficou de quatro, na pista de dança. Meti forte. Na hora de gozar tirei e coloquei bem no cuzinho, pra ela animar de dar logo esse cu pra mim.

A última seria na cama, ela disse. Já de manhã, as duas garrafas vazias, nós tínhamos o último gole de cada copo. Nos olhamos, viramos os copos, a deitei por baixo, dessa vez queria vê-la enquanto a possuía. Abri suas pernas com as mãos e comecei. Ela dizia, “vai, me come gostoso”. Isso me deixa louco, ouvir a mulher falando durante o sexo. E cada vez eu enfiava com mais força, mais tesão, e ela falando. Até que ela fala, “meu bem, vamos namorar, olha como está bom, vamos começar logo a namorar; vem, goza na minha boquinha, meu namorado.”

Como eu ia falar que não? Começamos a namorar...

18 comentários:

Camila Lourenço disse...

Adoro suas versões sobre como seu namoro começou.
rs

Sua namorada é que não deve gostar mt de ver exposto aqui, mas tenho uma séria sensação de que nenhuma dessas vezes foi realmente a que aconteceu.
rs

Bj

Maggie May disse...

tem que namorar ou até casar! rsrsrs

Mil disse...

Me mandou nao ler, li. Votei : Nao gostei. Max que merda hein Marcinho! So pela insistência vou deixar meu veredicto (leia bem, MEU): Historinha de punhetero pra mim nao é literatura. Te expressas "chulamente". Vou te contar uma coisa, se queres fazer comédia tens muito o que trabalhar ainda, até agora o que vi foi uma representacao morbida do imaginario sexual que se vende em banca ao lado de "tititi" (nao sei se ainda existe essa merda de revista). Quer falar de sexo de uma maneira grosseira, lê Marquês de Sade: isso lê-se como poesia, quase como critica de uma sociedade falsamente pudica e nao como romance de banheiro de boate. Em contrapartida, se é isso que toca teu coraçao, tenha em mente que o que tu tornas publico toca o coracao dos outros também. Nesse caso o que me toca é que ao invés de pensar em ti como parceiro de luta, te considero um fomentador de mentalidades mal sanas. Eis minha opiniao, com todo respeito e amor, Mil.

Luna Sanchez disse...

A eterna vítima das circunstâncias...rs

Figura!

Beijo.

A Mina do cara! disse...

Camila, essa não é a minha história. Pode ficar tranquila...
um beijo

__

Maggie, imagina a história do casamento...
um beijo

__

Mil, vamos por partes, ok:

1) adoro ouvir uma mulher me dizer: Marcinho; aqui em BH nunca ninguém me chamou assim; (Ah Floripa hein...)

2) eu não "faço comédia"; e eu sei que tenho muito o que trabalhar; eu não descanso, levo a sério e escrevo e leio todos os dias.

3) dificilmente eu serei "companheiro de luta", não gosto de lutas panfletárias. E se está lendo, ou já leu, Sade, é sinal que está no caminho certo.

4) eu adimiro você desde o dia em que nos conhecemos, no show do Los Hermanos; lembra disso? Depois quando você disse que gostou de mim porque ouviu meu pedido a bibliotecária: Boca do Inferno, do Gregório. Eu sei que você estará entre as melhores da sua área, você sempre foi muito boa.

5) você foi capa da Mina do Cara mesmo não gostando; e agora, para terminar, quero dizer que mando um beijo pra você aí na europa (mestranda na França) com muito carinho e amor também.

Mil, A Mina do Cara te ama!

___

Luna, a vida é assim mesmo...
um beijo guria.

_____

E você aí, o que achou? Um amontoado de putaria? Um monte de palavrão? Pois bem, assim é a vida...

Você não gostando, A Mina do Cara te ama assim mesmo!

Mil disse...

Carregado de mim ando no mundo, E o grande peso embarga-me as passadas, Que como ando por vias desusadas, Faço o peso crescer, e vou-me ao fundo.

O remédio será seguir o imundo Caminho, onde dos mais vejo as pisadas, Que as bestas andam juntas mais ousadas, Do que anda só o engenho mais profundo.

Não é fácil viver entre os insanos, Erra, quem presumir que sabe tudo, Se o atalho não soube dos seus danos.

O prudente varão há de ser mudo, Que é melhor neste mundo, mar de enganos, Ser louco c'os demais, que só, sisudo.

gm

Alline disse...

Como ia falar que não? E perder aquela última? Até eu falaria... rsrs

Saudades de ti, e daqui!

Beeeeeeeeeeijo!

A Mina do cara! disse...

Mil, eu não escrevi isso aqui pra não perder o ônibus pela segunda vez em menos de uma hora.

Você foi a primeira pessoa para quem eu disse: vou escrever um livro. Eu disso isso porque queria que você desenhasse a capa; foi quando vi o Pequeno Príncipe que havia desenhado - se não me engano foi quando fomos ao show do Garotos Podres. Hoje não quer mais desenhar - muito menos a capa do meu livro, que será lançado no dia do meu aniversário: 11/11/11.

Eu gosto de você, e você sabe disso. Obrigado pelo comentário, é difícil alguém ter cara para escrever que não gostou.

Beijo pra você e comporte-se, mulher séria.

____

Alline, não suma. Eu estive lá e vi que manda muito bem na poesia, como na prosa. Ainda quero ver a Nina na minha estante hein...
beijo pra ti, mulher da ilha da magia...


____

Eu quero mandar um beijo pra minha mãe, pro meu pai, e especialmente pra você.

E quero dizer só mais uma coisa: A Mina do Cara te ama!

Thomaz de Castro disse...

Márcio, eu gosto de coisas bem escritas, e acho que nesse quesito você manda realmente muito bem.

Porém essa temática de sacanagem explícita acaba transformando a sua arte em coisa incômoda para alguns. Com um texto nos moldes de uma boa crônica - e com um final que achei inusitado e engraçado -, esse pesado componente "putaria" vai colocar muita gente para fora do seu blog. Eu mesmo tenho muito pouco interesse nesse tipo de literatura, e de certa forma evito.

Pode ser que você consiga ver alguma expressão artística nessa temática, mas muita gente não vê e acaba pensando que você é obcecado com ela. Uma pena, porque você tem uma boa expressão em seus textos.

Eu te sugeriria buscar explorar outros temas um pouco mais, e falar de sexualidade de uma forma menos incisiva e um pouco mais sutil. Daí você consegue bolar excelentes textos que tornem você um cronista ou escritor mais cativante.

Saudações, velho!

Thomaz de Castro

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

pior é se vc tivesse casado com a dita cuja...ainda bem que foi só uns namoricos

Mirella de Oliveira disse...

Tenho certeza que você não se arrependeu! Nessas horas vale até dizer que a ama! hahahaha

A Mina do cara! disse...

Thomaz, obrigado pelos elogios; as críticas eu as aceito como construtivas. Julho foi o mês da sacanagem aqui na Mina do Cara.

O maior elogio para um escritor é o leitor acreditar no texto.

obrigado pela visita e volte sempre, meu amigo. Abraço

___

Non Je, essa é pra casar, meu amigo. Um abraço.

___

Mirella, é amor demais! Volte sempre aqui.
Um beijo.

____

Ei, você aí, avisa pra Mina do Cara que os leitores tão aí olêlê...

Galera, um beijo e um abraço. Julho está terminando, e como vocês sabem, foi o mês da sacanagem. E pelo visto terminas o mês bem.

Ou teremos uma surpresa...?

A Mina do Cara te ama!

Drisph disse...

Se eu te contar as minhas histórias... iríamos fazer uma antologia, kkkkkkkkkkkkk, beijos e obrigada pela visita.

Anderson L. disse...

Massa demais da conta o teu blog, cara
Visita o meu aí: www.palavreandome.blogspot.com

Andréa Franco disse...

hahsuhauahua
que bela tática pra arrumar namorado! e se não sai namoro, pelo menos alguma alegria você garante!
=*

A Mina do cara! disse...

Drisph, numa dessas fazemos um post especial, suas histórias contadas por mim... já pensou...
Um beijo

__

Anderson, valeu! Vou lá conferir o seu.
um abraço

__

Déa, nem tudo está perdido...
beijo pro cê

___

E você aí, tá pensando o quê? Vou confessar uma coisa aqui, só pra vocês: dessa vez até a verdadeira Mina do Cara me perguntou: é verdade essa história?

Eu acho é pouco!

Um beijo pra minas, um abraço pros caras, e lembre-se para toda sua vida: A Mina do Cara te ama!

דניאל disse...

Parabéns pelo ótimo texto.
Seria um texto medíocre, não fosse pelo final, que é o toque de mestre. No meu entender, este texto deveria ser intitulado "Prostituição Consentida".
O que causa a indignação é a verdade contida no texto, e é esta verdade que diz que as relações são prostituídas.

Abraços,

A Mina do cara! disse...

Daniel, ainda bem que uma alma pura e boa veio aqui a meu favor...
um abraço.

____

Estão vendo, tem gente que sabe das coisas... Esta história está entre as mais lidas dos últimos tempos. É isso aí galera, A Mina do Cara te ama!